APRAMA – ASSOCIAÇÃO ALMIRANTE PRADO MAIA


             A Associação Almirante Prado Maia tem suas raízes no sucesso das políticas do pessoal militar da Marinha, adotadas a partir de 1938, quando foi criado o Quadro de Oficiais Auxiliares (QOAM), composto pelo Quadro de Oficiais Auxiliares da Armada  e Quadro de Oficiais Auxiliares do Corpo de Fuzileiros Navais.


          Naquela época a Marinha preparava-se para uma possível segunda guerra mundial e a cada ano perdia um grande número de experientes profissionais que, como suboficiais e sargentos com o tempo de serviço ativo completo, pediam transferência para a reserva por falta de perspectiva na carreira.


             A abertura das portas do oficialato às praças atenuava o problema, além de  fazer justiça, permitindo ascensão profissional e  social  àqueles sargentos e suboficiais que se destacavam entre seus pares, quer como militares, quer como profissionais.


            Ao longo dos anos, a importância desses quadros foi aumentando.  Ao serem criados, a carreira nesses quadros terminava no posto de Capitão-Tenente.  Porteriormente passou a encerrar-se como Capitão de Fragata e, em 1985, na gestão do Almirante Henrique Sabóia, como Ministro da Marinha, passou a terminar no posto de Capitão-de-Mar-e-Guerra.


            Em 1985, Oficiais que se destacavam nesses quadros, entre eles Iso Juraci de Melo, Francisco Alves Noga, Zacarias José de Santana e Melquíades Alves Pinto uniram-se em torno da ideia de criar uma associação que agremiasse esses Oficiais e suas famílias. Surgia assim a Associação das Turmas de Oficiais Almirante João  do Prado Maia, registrada no cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas com esse nome e com o nome fantasia de Comissão de Relações Públicas do Quadro de Oficiais Auxiliares da Marinha Almirante Prado Maia (CRPAPM). O nome comissão explica o cuidado dos fundadores da agremiação para não suscitar insinuações de vínculo com uma associação de marinheiros já extinta.


           O primeiro presidente da associação ou comissão foi o Capitão de Fragata (AA) Iso Juraci de Melo, lotado no gabinete do Ministro da Marinha e que seria o primeiro Oficial a ser promovido ao posto de Capitão-de-Mar-e-Guerra.


             A entidade estava com 12 anos quando a Marinha promoveu uma reestruturação em seus corpos e quadros, em 1997, que resultou na criação de um novo corpo de Oficiais, o CAM - Corpo de Oficiais Auxiliares da Marinha.  Neste corpo foram incluídos: o quadro de Oficiais Auxiliares da Armada; o Quadro de Oficiais Auxiliares do CFN; o Quadro Técnico e o Quadro de Capelães Navais.


              Além disso, a medida limitou a carreira de Oficial Auxiliar ao posto de Capitão-Tenente, tornando compulsória, a partir da reestruturação de 1997, a passagem dos Capitães-Tenentes Auxiliares promovidos para o Quadro Técnico.  Dessa forma, um Oficial, ex-marinheiro ou ex-fuzileiro naval, ao ser promovido a Capitão-de-Corveta, deixa compulsoriamente o Quadro de Oficiais Auxiliares e passa  para  o Quadro Técnico.


          Essa nova realidade, não desejada por aqueles oficiais já pertencentes aos quadros afetados,  minimizou deveras a importância  dos quadros de Oficiais Auxiliares  e comprometeu  as expectativas  positivas pertinentes ao futuro de uma entidade cujo corpo social tinha apoio exclusivo nos Oficiais Auxiliares. A reestruturação de 1997 fez mais.  Nas entrelinhas  da norma,  promoveu  o Quadro Técnico à condição de quadro mais importante dentro do Corpo Auxiliar da Marinha.


            Quando em 2003 o CC (AA-Refº) José Alves de França assumiu a presidência da associação, criada em 1985, entendeu ser mister adaptar o estatuto a essa nova realidade.  O empenho de sua diretoria na tarefa levou à aprovação, em julho de 2005, do estatuto ora em vigor, que considera o Corpo Auxiliar da Marinha e não apenas os quadros de Oficiais Auxiliares como  fonte supridora do corpo social da Aprama. Esta sigla que aparece no  novo estatuto veio para substituir o nome fantasia de comissão e as siglas CRPAPM e ATOAJPM  que eram usadas pela entidade.


           O novo estatuto criou também a figura do sócio especial, com o objetivo de permitir a filiação tanto das viúvas dos sócios quanto de Oficiais dos demais corpos e quadros da Marinha. Foi essa inovação, cuja aceitação não foi unânime,  que  permitiu a filiação de um Oficial do Corpo da Armada, o neto do patrono da Aprama,  Almirante João Afonso Prado Maia de Faria. Como fruto do novo estatuto a curva decrescente do número de sócios da entidade que se observava até sua entrada em vigor se inverteu.


          A próxima revisão deste site poderá incorporar sugestões para aperfeiçoar este resumo histórico. Aqueles Oficiais que acompanham a Aprama desde sua fundação estão convidados para a tarefa.


             A Diretoria da Aprama agradece.